Publicado em Deixe um comentário

Quando uma tabela é melhor que um gráfico?

Este post diz respeito a dados tabulares em vez de gráficos. O design de uma tabela é pelo menos tão importante quanto o design de um gráfico, e em muitos aspectos há muito mais que se pode errar em uma tabela mal desenhada.

A escolha de usar uma tabela ou um gráfico não deve ser arbitrária. Stephen Few tem apontado que uma tabela é geralmente uma escolha melhor do que um gráfico para comunicar MI quando:

  • A exibição será usada para procurar valores individuais
  • Será usada para comparar pares de valores mas não conjuntos inteiros de valores entre si
  • Valores exactos são necessários
  • As informações quantitativas a serem comunicadas envolvem mais de uma unidade de medida
  • Tantos valores sumários e detalhados estão incluídos

Nigel Holmes, o famoso pioneiro do design infográfico, escreveu: “As tabelas funcionam especialmente bem quando os números diferem por ordem de grandeza, de modo que nenhuma escala é suficiente para plotá-los. Considere este conjunto de números: 20; 400; 160,000; e 25,600,000,000. Um gráfico perderá o detalhe dos números baixos se tentar alcançar os altos sem quebrar a escala. Se você precisa quebrar a escala, então use apenas uma tabela, porque um gráfico com uma escala quebrada não é mais uma imagem verdadeira dos números”

E o guru da visualização Edward Tufte disse “As tabelas geralmente superam os gráficos de desempenho ao relatar pequenos conjuntos de 20 números ou menos”

Desenhar tabelas que fazem o seu trabalho efetivamente é uma ciência, bem como uma arte. Postagens futuras neste blog vão olhar para aspectos de bom design de tabelas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *